domingo, 14 de julho de 2019

Caixa automatizada comprovando sua eficiência nos pesados

                                                     
                                             

Parece que foi ontem, mas as caixas automatizadas já mostram há tempos sua competência, resultando em menor manutenção, melhora no consumo de combustível e preservação dos componentes.

No inicio, muitos torceram o nariz sobre a durabilidade e funcionamento das mesmas no transporte de cargas pesadas,  até natural essa desconfiança. E hoje, essas transmissões comprovam que são até mais resistentes que as caixas manuais convencionais, pois com o uso de transmissões com base não sincronizada, utilizam engrenagens maiores e mais largas, aumentando consideravelmente a proteção em uso severo.

Um exemplo, é a recente linha da Ford, denominada Torqshift, empregada em veículos vocacionais para o uso off road severo, e a transmissão Eaton vem dando conta do recado.

Falando em Ford, uma pena ver o fabricante se despedir do pais tendo uma incrível família de caminhões totalmente adaptados á realidade do Brasil.

                                                         


Mas como recordar é viver, vale a pena assistir esse vídeo feito pela equipe do Planeta caminhão para a Ford, mostrando a operação de um Cargo com caixa automatizada no uso severo. Confira:

                                                               

domingo, 7 de julho de 2019

TV Caminhão acompanha a primeira revisão de um MB Actros

                                                                 

De olho nas novas tendências da mídia, a Revista Transporte Mundial, hoje pertencente ao grupo GG Mídia, dos mesmos da Revista O Carreteiro e Programa Pé na estrada, criou um canal no Youtube, denominado de TV Caminhão.

O Canal, mostra os bastidores dos testes e matérias impressas na Revista e também complementa reportagens com imagens.

Nesse vídeo, a equipe do Canal acompanhou o andamento da primeira revisão de um Mercedes-Benz Actros 2546.

Em um mercado cada vez mais competitivo e acirrado, vender um produto não é o bastante, o cliente está de olho nos custos de manutenção e no excelente pós vendas.

Confira os detalhes desse serviço no caminhão premium da marca da estrela:

                                               

domingo, 30 de junho de 2019

Implementos rodoviários brasileiros dando um show

                                                   



Nosso setor logístico é um dos maiores do planeta, movimentando fabricantes de caminhões, fornecedores, prestadores de serviço e fabricantes de implementos. Com o agronegócio sempre alavancando o PIB brasileiros por vários anos, o transporte mais do que nunca, se torna o termômetro da economia, e a indústria envolvida não perde tempo, sempre lançando soluções e novidades para atender com maestria as necessidades dos clientes.


As montadoras de caminhões, dominadas pelas europeias, trazem seus produtos da Europa e tropicalizam para poder enfrentar os problemas eternos de falta de infraestrutura e clima tropical severo. Enquanto os fabricantes de implementos não ficam atrás, sempre trazendo novidades e soluções perfeitas para a nossa realidade.


Se você reparar as carretas que são oferecidas nos EUA, como também na Europa, você fica maravilhado com os detalhes e tecnologia empregados nesses produtos porém, o Brasil não fica para traz, de maneira alguma! Nossos implementos se destacam por oferecem bastante tecnologia e modernidade, ao mesmo tempo que são perfeitamente desenvolvidas para suportar nossas estradas horríveis, onde muitas vezes, uma carreta estrangeira literalmente partiria ao meio.


Com o mercado brasileiro cada vez mais (aos poucos eu sei!) profissional, os produtos vocacionados ganham espaço, e podemos facilmente observar nas estradas variados tipos de implementos, cada um para um tipo de cargas especifica.


Um detalhe bastante interessante, principalmente para quem curte desing bonito e funcional, é justamente a parte traseira desses implementos, mais precisamente no conjunto de lanterna traseiro.


Ao longo desses últimos anos, assistimos uma constante evolução das lanternas, ficando mais seguras, duráveis, e principalmente bonitas.

                                        



Hoje, dificilmente você irá ver uma fabricante de implementos oferecendo algo que não seja feito totalmente em led, e o estilo está cada vez mais lindo.


Essa semana, indo para Votorantim carregar, me deparei com esse belo conjunto da paranaense Noma. Ela sempre se destacou por produzir conjuntos de lanternas grandes e visíveis, e agora, ela matou a pau a concorrência, oferecendo esse lindo conjunto luminoso traseiro.

                                      



A Noma, mais uma vez está de parabéns, vocês não acham?



Até a próxima.


quarta-feira, 19 de junho de 2019

Linha Iveco Tector renovada e ampliada

                                                         


A Iveco apresentou através de uma coletiva descontraída, a nova linha Tector com o destaque da estreia da família na categoria leve, com os representantes 9-190 e 11-190.

A coletiva teve presença forte dos Argentinos e representantes de outros países vizinhos. já que o mercado na Argentina é bastante importante para a marca, onde ela é líder de mercado há 9 anos.

O evento de apresentação ficou marcado pela descontração e principalmente pelo otimismo presente em todos os representantes da Iveco. Anunciado durante a fenatran 2017, mantendo a filosofia de "foco no cliente", a fabricante do grupo FPT, apresentou os leves da família Tector, aproveitando sua interessante participação no mercado mix de médios de 8 a 15 toneladas, onde ela detém cerca de 8% de participação.

                                                


Com o slogan "mais caminhão para o seu batidão", a Iveco leva para o mercado um caminhão com o melhor powertrain da categoria composto pelo motor FPT NEF45 de 190 cavalos, com a maior curva de torque plano do segmento.

O veiculo vem equipado com  a transmissão manual Eaton de 6 velocidades com exclusiva relação de marchas desenvolvida para a Iveco. Essa caixa  tem a vantagem de ser a mesma transmissão automatizada ao receber os componentes eletrônicos futuramente.

Ainda falando de transmissão, essa caixa possui  a maior força em primeira marcha entre os concorrentes, e ainda tem a sexta marcha super Overdrive, enquanto os concorrentes usam a Overdrive.

Com tudo isso, a Iveco promete o destaque de cerca de -4% de consumo no 9 toneladas e -7% no 11 toneladas.

Passando para a suspensão, o veiculo está equipado com molas parabólicas nos eixos dianteiros e traseiros, garantindo bastante conforto ao rodar, já que na cabine, ainda tem o suporte de coxins na parte frontal e molas helicoidais com amortecedores na parte traseira, garantindo conforto em qualquer situação.

A cabine é bastante ampla, senda a melhor da categoria. Durante o test drive, a impressão ao olhar pelo para brisa e retrovisores, era de estar a bordo do seu irmão maior Stralis Hi-Road.

                                                          


A grade dianteira, ainda está posicionado com fácil acesso, a vareta para verificação do nível de óleo e água do sistema de arrefecimento. Os degraus são baixos para facilitar o sobe e desce da cabine nas entregas urbanas e  a abertura das portas se dão até 87°.

O campo de visão tem cerca de 1,53m², e com o auxilio de conjunto de retrovisores convexos de ambos os lados trás segurança eliminando ao máximo os pontos cegos.

Ainda na cabine, os destaques não param por aí. A Iveco conseguiu manter o menor ruído interno da categoria, e a alavanca de troca de marchas posicionada no painel, permite uma movimentação tranquila dentro da cabine, com entregas urbanas levando ajudante, faz uma baita diferença.

Durante a apresentação do produto em Campinas, pude observar bastante porta objetos espalhados pela cabine, um interessante cronotagógrafo de fita e não mais disco diário ou semanal, e me chamou bastante a atenção também o espaço interno. Sentado no banco do motorista, encontrei o mesmo espaço para as pernas que eu encontro no caminhão extrapesado que eu trabalho.

Com sua cabine de cerca de 201 cm de largura e 254 cm de altura, sendo  47cm de largura do acento do motorista com sistema pneumático, e 114 cm do banco ao teto,  não encontrei problema na ergonomia. Ainda está presente nos novos Tector, a regulagem do volante.

Com design global, as cabines da nova família Tector, ficaram bonitas e funcionais, um exemplo os defletores, grandes e eficientes, direcionando toda a sujeira do spray da chuva para a parte inferior da cabine.

No final da coletiva, ainda fomos surpreendidos com a apresentação da nova identidade visual para o restante da família Iveco Tector, que agora abrange de 9 toneladas até 31 toneladas.

                                                      


Durante o test drive, eu escolhi para pilotar o menor da família, o Tector 9-190, e posso afirmar, o caminhãozinho vai dar o que falar no mercado. Roda macio no trecho urbano, e desenvolto no trecho rodoviário graças ao escalonamento das 6 velocidades e complementado pelo  interessante motor FPT NEF45 que equipa os modelos de 9 e 11 tons, onde pude notar o torque plano agindo perfeitamente nas retomadas de velocidades.

Se eu fosse vocês, iria já em uma concessionária Iveco agendar um Test drive. Tenho certeza que irão curtir.

E se tiver disposto a comprar, a Fabricante anunciou os valores de 155 mil reais para o 9-190 e 165 mil reais para o 11-190.

Um abraço e até a próxima.


domingo, 16 de junho de 2019

Mercedes-benz Actros 2655 V8

                                 

Os motores V8 empregados em caminhões, sempre alavancaram uma legião de fãs no Brasil porém, com a nossa realidade dura e difícil, onde os altos custos, frete baixo, e combustíveis com valores nas alturas, a vida dos propulsores diesel V8 sempre foi muito difícil!

Tradicionalmente, a Scania ofereceu por um bom tempo essa concepção no país, que encerrou por um período e retornou na década de 2000 com a atual geração eletrônica de 16 litros e hoje, atingindo seus 620 cavalos e angariando o posto de motor mais potente presente em um caminhão rodoviário no Brasil.

Outra empresa que sempre apostou nos V8 por aqui, embora bem mais tímida, foi a Mercedes-Benz. No passado, ela trouxe via importação o modelo 2038, que tinha instalado debaixo de sua cabine avançada, um belo e interessante OM442LA, mas como todo motor V8, suas vendas foram tímidas e se encerrou logo depois. 

A ultima aposta, foi com o modelo da família Actros 2655, que também teve seu fim com a chegada da linha com motorização seis cilindros em linha, o OM460lA.

Esse belo modelo, teve poucas vendas, sendo visto praticamente com as cores da transportadora Figueiredo e apenas um exemplar da Covre, cujo o exemplar já pareceu aqui no Instagram

O Youtuber Emerson Fonseca do canal Cardiesel Filmou um exemplar da Figueiredo em visita á autorizada. Confira como é esse modelo e aproveite e ouça o belo ronco vindo do motorzão V8 de 16 litros OM502LA.

Até logo.

                                                       

domingo, 9 de junho de 2019

Volkswagen Caminhões comprovando seu processo modular

                                                   
      

A Volkswagen mais uma vez prova sua grande vocação no processo modular (taylormade). Com as opções de chassi, motor e transmissão, o quebra cabeça é formado por uma extensa família de caminhões disponíveis ao mercado. Um exemplo mais recente, é o Constellation 32.360.

Já vendido no Brasil, modelo também está disponível para os clientes em países como Colômbia, Peru, Equador e, mais recentemente, Chile
A grande novidade do segmento de traçados tem nome e aptidão de sobra para o trabalho: é o Constellation 32.360 6x4 que chega com transmissão automatizada V-Tronic e eixo traseiro com redução no cubo. Não à toa, o modelo já conquistou o Brasil e está disponível para ser exportado do centro de desenvolvimento e produção da VW Caminhões e Ônibus de Resende (RJ) para diversos países da América Latina como Colômbia, Peru, Equador e, mais recentemente, Chile.
Ideal para operações extremas nos segmentos de terraplanagem, mineração, florestal, dentre outras, é equipado com motor Cummins ISL 360, com potência de 360 cv e torque de 1.600 Nm. A transmissão automatizada é ZF de 16 velocidades.
Os freios a tambor contam com a segurança dos sistemas ABS (que evita que a roda bloqueie quando o pedal de freio é pisado fortemente e entre em derrapagem), EBD funciona em conjunto com o sistema ABS e tem a função de distribuir a força de frenagem entre as rodas do veículo, e ATC (evita que as rodas patinem), além do EasyStart que auxilia na partida em rampa e do Modo Manobra, que auxilia em manobras em locais estreitos e confinados.
O reposicionamento da câmara de freio para a parte superior do eixo é algo que vale a pena ressaltar, pois amplia a durabilidade, evita danos e aumenta o área livre na área inferior do caminhão. Os eixos traseiros estão equipados com bloqueio transversal e longitudinal para superar os mais difíceis terrenos.
O veículo foi projetado para rodar nas mais difíceis condições de terreno. Cada detalhe foi desenvolvido para atender a pedidos de clientes que demandam a robustez e confiabilidade dos caminhões Volkswagen em seus mercados.
 Além disso, o Constellation 32.360 6x4 conta com pneus de uso misto, para trabalho pesado e bloqueio longitudinal (entre eixos) e transversal (das rodas) que permite gerar mais aderência (dos pneus) em terrenos fora de estrada, não pavimentados. Com isto, é fornecida maior estabilidade e segurança, independentemente do lugar onde se trabalhe.

domingo, 2 de junho de 2019

Mercedes-benz Accelo automatizado e puxão de orelha na marca.

                                                 




Nessa semana, a imprensa especializada divulgou os bons números obtidos pela Transportadora Jamef com a utilização de sua frota de Mercedes Accelo equipados com transmissão automatizada.

Apresentado na ultima Fenatran, o modelo vem aos poucos ganhando mercado, já que a caixa automatizada é uma realidade sem volta para o transporte brasileiro.  Com as vantagens conquistadas no setor de extrapesado como, redução de consumo de combustível, durabilidade dos pneus e preservação dos componentes de motor e cambio, logo se tornou um sucesso, que mais tarde desembarcou nos semipesados e agora nos leves.

                                                



Claro que empregar esse tipo de tecnologia nos cavalos mecânicos fica bem mais fácil, pois o valor maior pela transmissão, é mais fácil ser absorvida pela rentabilidade maior da operação, carregando mais peso e com cargas mais valiosas e volumosas.

Sendo assim, essa desculpa foi sendo usada pelos fabricantes para continuar mantendo em seus portfólios apenas a opção manual nos leves. Mas eis que novamente, a Volkswagen entra em cena, lança uma linha moderna e assim, força os concorrentes a se mexer e lançar produtos eficientes e a altura.

                                           
                                                            


Esse papel da VW vem mudando o mercado brasileiro já há algum tempo. Primeiro com a concorrência acirrada com MB e Ford nos caminhões menores, depois com o sucesso do Titan Tractor 18-310, um cavalo intermediário que tracionava peso na medida sem necessidade de cavalos caros e potentes. E atualmente, ela lançou sua  linha de leves Delivery, agitando mais uma vez o mercado.

                                                     


A Mercedes-Benz lançou a versão automatizada do Accelo, enquanto a VW ainda está na promessa de lançamento dessa tecnologia para a nova gama Delivery.

Porém, o mérito da MB em ser pioneira vai por agua abaixo quando se analisa que essa manobra da marca da estrela, foi uma medida rápida para se sobressair perante a VW, que em breve irá lançar sua versão automatizada e se tornará a linha mais moderna do pais!

Eu costumo dizer para os mercedeiros do Brasil, a melhor coisa que aconteceu nos últimos tempos, foi a criação da VW caminhões&onibus, pois caso contrario, ainda estaríamos trabalhando e dirigindo caminhões com tecnologias proximas ao do 1113, com permissão aos exageros, claro.

Enfim, as transmissões automatizadas estão ai, a concorrência continua acirrada, e a desculpa das fabricantes para se acomodar e continuar a vender veículos caros e pelados já não cola mais. Já que a VW tomou a frente e mostrou que vender caminhões mais completos e tecnológicos pode ter o seu valor amortizado com a fabricação em escala de produção!

Quem se beneficia disso tudo é o cliente. Então vamos aproveitar e continuar exigindo respeito pelo nosso dinheiro.

Até a próxima.